* * * C A M E L A D A / B I C I C L E T A D A * * *

* C A M E L A D A / B I C I C L E T A D A *CAMPINA GRANDE - PARAYHBA





PEDRA DO INGÁ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!









CAMELADA: Pedra do Ingá - PB!
Data:14 de Fevereiro de 2010
Horário: 4:30 hs da manhã,
Local: Rua dos Marmeleiros, Malvinas, Campina Grande - PB.

...

A Pedra do Ingá é um dos monumentos arqueológicos mais famosos do mundo e esta localizado no município de Ingá-PB a 80 km de João Pessoa-PB e a 35 km de Campina Grande-PB.

Conhecida por suas famosas Itacoatiaras ( pedra gravada em Tupi) este monumento desperta encantos e intrigas devido aos mistérios que envolvem a autoria, as técnicas utilizadas e a data em que as gravuras foram produzidas. Incas, Astecas, Hititas, Fenícios, Sumérios, Cariris e Et's são uns dos prováveis autores dos desenhos talhados na pedra.

Nós da CAMELADA tambem pretendemos deixar gravada nas trilhas do Ingá a nossa aventura!
...

Pedale com "nóis" pela natureza e contra as máquinas poluidoras!

.............................................................................

O CAMINHO DAS PEDRAS DO INGÁ!
17-02-2010

...

A viagem à Pedra do Ingá foi ótima (apesar da ressaca do dia anterior). Saímos das Malvinas faltando poucos minutos para as 5 da manhã. Fora os pardais e nossas bicicletas, pouco ou nenhum barulho se ouvia nas ruas de CG. Pouquíssimos veículos circulavam pela cidade, já que muitos tinham migrado para o carnaval da capital e de outros lugares. Aproveitamos esta pequena "trégua" nas ruas e adiantamos nossa viagem.
A distância de onde partimos até as Itacoatiaras do Ingá é de aproximadamente 50 km. Na ida as coisas foram bem mais fáceis. Todos empolgados (ainda inteiros) e pedalando tranquilamente, pois, pra quem conhece, o caminho é só descida. Alem disso, a BR 230 estava tranqüila e seu movimento se resumia a ônibus lotados de turistas de praias. Por isso paramos apenas na cidade de Ingá. Comemos, bebemos algo, demos uma pequena pausa e fomos para as tão faladas gravuras.
A distância da cidade para o local da pedra é de 6 km e não há complicação para chegar. Seguindo as placas e o asfalto se chega lá em 15 minutos. O local das Itacoatiaras é dentro de uma pequena propriedade, que contem um barzinho, e fica sob cuidados de um senhor e uma senhora. Deles ouvimos queixas de que a Pedra é abandonada pelos poderes públicos, apesar de ser patrimônio histórico tombado pelo IPHAN. Cuidados básicos como assistência aos visitantes e limpeza do local são por conta deles. O local ainda possui um pequeno museu com ossos enormes de animais pré-históricos da região, como a preguiça gigante de 8 metros.
Descemos até o local e nos deparamos com as inscrições. A pedra fica as margens de um rio e em meio a várias outras pedras de formas muito interessantes. Muitas pedras são arredondadas e parecem ter sido desenhadas lentamente pelas águas. O local é muito bonito e não nos admira se os autores das inscrições tenham se inspirado na beleza do local. A pedra do Ingá possui centenas de gravuras como plantas, animais e figuras abstratas muito belas. Uma dessas figuras nos chamou a atenção. Coincidência ou não o símbolo nos lembrava algo como um monociclo. Muitas das inspirações dos autores das figuras estavam ali, como os calangos e as plantas. Havia ainda belas gravuras de estrelas e outras imagens esquemáticas.
Depois das observações partiu-se para o desfrute do local. Banho de rio, colher fruta fresca direto do pé e subir nas pedras mais altas. Depois de reabastecer (a barriga), voltamos para a cidade de Ingá onde esperamos a "lua" do meio-dia “esfriar”. Na cidade, bois de carnaval e guerra de farinha animavam a tranqüila cidade. Na volta pra casa tivemos q enfrentar a sede, pneus desgastados, 50 km de estrada, uns 33 graus de sol puro e 4 horas e meia subindo a serra da Borborema. Chegamos às 18:30 da noite semi-mortos, mas felizes.
....................................................................................

Um comentário:

LordSuicidal disse...

Mãe disse que sou doido! que graça teria se eu não fosse né minha mãe?!